A Moda e a Mulher na Chamada Terceira Idade

Com o avanço da medicina estética, da tecnologia e do aumento gradativo da expectativa de vida das  mulheres brasileiras, a partir dos...


Com o avanço da medicina estética, da tecnologia e do aumento gradativo da expectativa de vida das  mulheres brasileiras, a partir dos anos 1980, pode-se observar um número maior de senhorinhas, na faixa de idade dos 60 anos anos em diante, se tornando cada vez mas ativas, independentes, atuantes no mercado de trabalho, estudando, praticando esportes, viajando sozinhas, e até se candidatando a concursos de miss terceira idade, algo inimaginável até bem pouco tempo. 



Mas como a indústria da moda está reagindo a esse fenômeno? Será que temos no mercado roupas que atendam a essa nova demanda? Roupas inovadoras, que alie beleza, conforto, elegância, estilo, e que ofereça praticidade e segurança?
Observe essa senhorinha na foto abaixo, totalmente desolado diante da falta de opção:



Eu acho um tanto desafiador planejar uma coleção de moda voltadas para esse público, pois precisamos considerar as limitações e vulnerabilidades próprias da idade. Mesmo com todos esses novos recursos existentes para prolongar a juventude, não podemos esquecer que a luta contra o tempo é sem trégua e desigual! Inútil e vã! Já sabemos, de antemão quem sairá ganhando!

Deve ser por isso que nos vemos sempre diante de dois extremos:

Se, por um lado, nos deparamos com aquele velho estereótipo da vovó, que fica em casa, numa cadeira de balanço, tricotando ou assando biscoitos para os netinhos, sem nenhuma outra expectativa de vida, ou,

por outro lado, senhorinhas, na intenção de parecer "modernas", vestindo roupas projetadas para mulheres mais jovens, com modelagens que não favorecem sua nova silhueta, pois como é sabido por todos, nosso corpo passa por diversas modificações, nem sempre bem vindas:


Uma maior curvatura na parte das costas... Nosso andar se torna mais lento... A vista um pouco turva... Só para citar algumas dificuldades, o que torna suas atividades rotineiras, um pouco mais desgastantes. Por isso as roupas desenvolvidas para atender a essas "novas" mulheres devem ir além da mera observação da forma estética.



Um meio termo deve existir! É como aquele ditado popular: "Nem oito, nem oitenta"! Nem roupas sem graça, fora de moda, nem tampouco roupas tipo "menininha".

É preciso que se priorize  a qualidade dos materiais e que se estude novas técnicas de modelagens a fim de, pelo menos, amenizar essa lacuna existente no mercado de moda.

Bem, por hoje é só! Um abraço e até breve!    

Obs.: imagens retiradas da internet! 







Você vai amar ler esses também:

0 comentários

Gostou? Compartilhe !!!

Pesquisar este blog